Neste tempo de ficar em casa, com essa obrigação moral imposta a nós pelo bem comum, tenho muitas horas para dedicar a pensar, rezar, ler, escrever ... O "crono" está se tornando "kairos" ... e Não quero perder esta oportunidade, uma vez que algumas atividades permanecem no Skype, mas não são tantas e, ao não sair, a agenda é imóvel e isso me permite aprofundar.

É uma sensação estranha, interna e externamente: ruas vazias, silêncio por toda parte, parece que a vida parou; mas o que está acontecendo conosco? É verdade o que estamos vivendo? Sim, não é ficção científica, embora possa parecer ... e, como as notícias continuam chegando e eu percebo que esse vírus transcende fronteiras, decidi fazer meu coração viajar e estou passando por paisagens inéditas, mas reais.

Viajo por todo o país e paro em muitas cidades onde encontro irmãs da congregação, familiares, amigos, companheiros e missionários. Eu mudo para a Itália, para Roma, para a nossa cúria geral - e encontro nossas irmãs lá e em outras casas, com seus programas interrompidos, seus planos alterados. Na sociedade civil, na sociedade eclesial, em todo o território.

E, como não há fronteiras ou restrições para as asas do meu coração e não sou impedido de voar, chego à América Latina, onde de alguns países notícias semelhantes nos chegam e elas escrevem em solidariedade e posso pular para a Ásia, onde também e antes daqui, A pandemia de coronavírus foi desencadeada e vários países desse continente estão sofrendo com ela. Mas não quero me limitar aos lugares onde estão as Filhas de Jesus, mas o mundo inteiro é o nosso local de vocação e missão e, portanto, nos devemos em dedicação universal.

E não consigo parar de me debruçar sobre situações muito mais dramáticas que as suas: quantas pessoas não conseguem ficar em casa, simplesmente porque não a têm; ela mora na rua, exposta a todo contágio, como sempre teve que sofrer, ao ar livre da maneira mais literal possível.

Pessoas com situações especiais que precisam sair, se movimentar, tomar ar e sol e precisam ficar em casa; pessoas doentes e solitárias; idosos em solidão - muitos em nossa sociedade européia -, muitos que não possuem os meios tecnológicos atuais e não conseguem se comunicar e sofrem maior isolamento.

Pessoas com situações especiais que precisam sair, se movimentar, tomar ar e sol e precisam ficar em casa; pessoas doentes e solitárias; idosos em solidão - muitos em nossa sociedade européia -, muitos que não possuem os meios tecnológicos atuais e não conseguem se comunicar e sofrem maior isolamento. 

E como podemos não lembrar de tantas pessoas que arriscam suas vidas - também em tempos de confinamento - porque se dedicam a cuidar de nossa saúde, vender alimentos, permitir que viagens urgentes tenham seus meios de transporte, limpando hospitais e ruas, nos fornecendo medicações; uma sociedade é sustentada, mesmo em sérias crises, graças a tantos heróis anônimos e silenciosos que são o contraponto necessário para que a construção social não desmorone, mesmo quando ameaçada. 

 E enquanto estou viajando, anoto no meu diário de bordo que aprendizado estou adquirindo:  

- Tudo, absolutamente tudo, torna-se relativo, diante de uma séria ameaça de perda de saúde e vida, que se torna global; o ritmo da vida, sem parar, sem respirar, o dia cheio de atividades, as emergências que nos oprimem e nos apertam, o "isso não me dá vida" ... tudo para de repente. E de repente temos todo o tempo do dia e da noite para estar em casa, tempo para perder, brincar, cantar, não fazer...

- A tecnologia atual nos permite continuar trabalhando, em comunicação, interagindo, mas, à distância, o contato afetivo e efetivo acaba, nos vemos e sorrimos ou choramos através da tela. 

- A criatividade emerge de maneiras impensáveis: o tempo todo para descobrir o que fazer e como preencher nossas horas: aplaudimos, cantamos, dizemos frases de encorajamento nas varandas e janelas que são nossos oradores. 

- Enviamos muitas mensagens de solidariedade, é uma questão de todas as pessoas, ninguém pode ficar de fora, nos encorajamos esperando que esse pesadelo passe e que voltemos à vida "normal"... 

- Será que essa situação nos fará mudar a norma e aprenderemos a viver de uma maneira mais “anormal”, isto é, mais humana e humanizada?.

Nos é oferecida a oportunidade de tirar o melhor proveito de nosso povo, a capacidade de sentir compaixão, de solidariedade com aqueles que mais precisam, a possibilidade de pensar e agir de um "nós" e não do meu eu individual e reduzido.

Momento privilegiado de viver a união comum, do coração, da diversidade, da distância, porque há algo que nos une acima de raças, cores, ideologias e qualquer tipo de crença: aquele bem inestimável que é a saúde é seriamente Ameaçamos, portanto, a grave obrigação de cumprir com rigoroso rigor nossos deveres como cidadãos de um mundo global. 

A de pensar globalmente e agir localmente se torna mais urgente do que nunca; O mundo inteiro está lá, próximo a nós, na porta de nossas casas, de onde podemos sair, de modo que o mundo se tornou local e ficamos muito surpresos nesse novo estágio de confinamento.

Os "kairos" - não o crono - também nos convidam a ter esperança, alegria, confiança, colocar nossos meios e acreditar que existe Alguém que é o Senhor da vida e da morte. Esse tempo de escuridão passará - é necessário atravessá-lo sem desanimar - e nos encontraremos novamente de uma maneira física e real e daremos um ao outro tantos beijos e abraços, e nos contaremos com um toque, que continuamos caminhando com a lição bem aprendida.

 

E no final da minha viagem, lembro o que São Paulo diz em uma de suas cartas: “seja sempre feliz; ore em todos os momentos; graças a Deus por tudo. ” 

Alegria, oração e gratidão, são bons aliados com outras recomendações: lave as mãos, use máscara, luvas ... fique feliz em casa!.

María Luisa Berzosa fi 

Entrevías - Madrid

0
0
0
s2sdefault