Desde o domingo passado, dia 15, quando escrevi minha primeira etapa da viagem, não imaginava que hoje também domingo fosse comemorar uma semana tão densa quanto a que tivemos que viver.

E antes de terminar, chegou a primavera, o dia da poesia, o dia de lembrar que a vida prevalece e atravessa o solo duro e pedregoso, um momento para alongar o olhar e acreditar que a semente precisa da escuridão do sulco para nos dar flores e folhas. de cor e que chegará a hora de celebrá-lo como merece.

Ficar em casa foi assimilando pouco a pouco todos os dias, a rotina era imponente, porque a estrada é longa. A casa externa é organizada, os tempos também, mas o coração começa a sentir tristeza, alternando com esperança, alegria com dor, pessoas conhecidas e desconhecidas que são infectadas e morrem, outras curam e engrossam a difícil lista de descargas.

Talvez a sensação mais forte desta semana tenha sido o crescimento incontrolável e a um ritmo verdadeiramente rápido de contágio em tantas partes do planeta. Realmente, por um lado, nos sentimos muito insignificantes e, ao mesmo tempo, a própria vida atinge dimensões cósmicas, criatura do mundo, parte daquele planeta - aquela casa comum - e experimenta, como nunca antes, que nada do que acontece no mundo é para mim alienígena.

É mais do que o mundo entrou em nossas casas e já somos inseparáveis. Essa consciência cósmica da criatura, mesmo que pareça um paradoxo, é a imagem que melhor define o que eu vivo. Mas recebo notícias de pessoas saindo, conhecidas e não, com a imensa dor para aqueles que permanecem, de não poder dizer adeus; É um duelo duplo difícil de manter.

Meus dias e momentos se alternam: paz, inquietação, confiança, incerteza, esperança, medo ... A ausência e distanciamento de famílias, amigos, colegas de trabalho, irmãs da comunidade, a não saída para a rua, o pequeno espaço para onde se mover. ouça o silêncio, às vezes agradecido, mas outras vezes adquire uma densidade que pesa.

E estamos incorporando rotinas diárias - que são aconselhadas a permanecer o tempo que for necessário - para que possamos viver esse tempo com plena consciência e não deixá-lo nos absorver sem assumir o comando. Difícil para aqueles que precisam combinar a atenção de sua própria família com o compromisso de trabalho que eles também não podem abandonar.

E estamos proporcionando alívio de forma criativa e, acima de tudo, solidária, deixando-nos pensar sobre como o outro é e o outro: enviamos mensagens, ajudamos na reflexão, rezamos, vivemos tudo isso com significado, mesmo sem quase entender. nada; Também sinto que uma rotina necessária é distribuir as informações avassaladoras que recebemos; todos com uma imensa vontade de ajudar, mas também podemos sufocar; saber escolher o que mais nos ajuda e também poder colocá-lo no crono diário após os kairós.


Estamos tendo reuniões com poucas ou muitas pessoas, com nossos colegas de trabalho e vemos, olhamos e sorrimos através da tela que, no meio de tudo, nos aproxima e confirma que continuamos fortes e misteriosamente unidos.

Recebemos notícias da ampla família religiosa espalhada pelo mundo que nos confortam e nos ajudam a permanecer o mais pacífico possível. Incorporamos a Eucaristia, momentos de oração, encontros dentro de casa, sempre com uma consciência universal.

E também incorporamos uma rotina empolgante: todas as noites, nos juntamos ao país que se tornou uma varanda grata aos nossos funcionários - saúde e muitos outros - que apóiam nossa sociedade, e oferecemos a cada bairro nossos calorosos aplausos.

E continuo minha jornada sem sair de casa, divulgando esse momento e compartilhando minhas experiências, caso ajudem outras pessoas. Eu continuo aprendendo, tirando lições deste estágio nunca imaginadas, mas reais; com fé e esperança no Deus da história que caminha ao nosso lado, mas que em momentos de fraqueza nos leva a nos perguntar: “onde você está? Você nos abandonou?

E ouvimos em nossos corações uma palavra que conforta e encoraja: "Não tema, eu estou com você"; “Olhe ao seu redor, em todo o mundo há muitas doações generosas e anônimas, é despertada uma solidariedade que atravessa fronteiras e traz o melhor de todo ser humano; há uma busca contínua para nos ajudar ... lá estou eu, na vida e na morte, apoiando e confortando, abra bem seus olhos, você verá como descobrirá como e onde não imagina ”.

E continuamos em casa, renovando nosso compromisso de cuidar de nós mesmos; para nos manter em união comum. Mais uma semana que esperamos sinceramente trará alívio ao nosso mundo ferido. Enquanto isso, não paramos de sorrir, que nosso rosto não endurece porque precisamos um do outro e esperançosos.

María Luisa Berzosa fi

Entrevías -  Madrid

0
0
0
s2sdefault