Estou tentando aprender um novo calendário: dia 63 do confinamento de 2020, fase 0.5, em Madrid; Antes era muito fácil: uma hora a menos nas Ilhas Canárias e tudo o mais era o mesmo, mas agora quem conhece os ritmos de cada autonomia? O que é permitido em cada fase? Quando e como vamos para a próxima? Se nos comportamos bem, se somos responsáveis, se mantemos os medidores da distância social, se somos escrupulosos em lavar nossas mãos e usar luvas e máscaras, se ... estamos incorporando regulamentos exigentes e meticulosos para avançar no ritmo das fases e chegar , no processo de redimensionamento para um "novo normal".

Mas ainda se fala em estender o estado de alarme por mais algumas semanas, enquanto a dança das fases continua e essas notícias não são agradáveis, ainda nos pedem um confinamento que parece não ter fim. Mas um pouco mais de paciência virá para não piorar a saúde pessoal e coletiva nos apressando.

Além de um novo calendário, também aprendemos muito vocabulário, a Royal Academy of Language não pode incorporá-lo tão rapidamente, mas já está na rua: o confinamento soa melhor que o confinamento ou trava ?, escalada, descalcificação, nova normalidade, quarentena, estado de alarme ... e eu me pergunto qual será o novo normal? De volta à norma? de outra maneira? E como será essa novidade?

Não. Não vejo que voltemos ao normal; mas talvez não tenhamos entrado profundamente nessa realidade e, se não entramos, não podemos sair, os dias, semanas e meses continuarão a passar e continuaremos os mesmos. Mas se estamos vivendo essa aposentadoria forçada em profundidade, se aproveitamos todos os dias para passar pela incerteza, desinstalar medos, despertar solidariedade diante de tanta dor, nos permitir ser afetados, assumir nossa própria fraqueza e a dos outros, aprender humildade e diminuir tanta auto-suficiência que nos faz acreditar que somos todos poderosos ... tudo será diferente.

Espero que possamos aprender lições, como indivíduos e sociedades, a partir deste estágio histórico, tão global, tão paralisante, que nos igualou ao atravessar fronteiras, que interrompeu nosso ritmo vertiginoso, que nos alertou sobre como e quanto estávamos maltratando a “casa comum "; o planeta recuperou o ar puro, vemos o horizonte com clareza, o céu azul intenso, a luminosidade sem brumas poluentes. Podemos continuar assim?

Começamos a partir, a vida e o movimento são repreendidos, pouco a pouco, e somos submetidos ao teste de nossa cidadania, de viver em uma sociedade que fala do bem comum, não de visões individuais. E os desejos, os projetos, os sonhos estão despertando: reencontrar-se, poder abraçar-se, estar juntos sem separação, retornar a relacionamentos espontâneos ... e enquanto isso acontecer, mantenha a esperança que sustenta esses desejos, permaneça com a maior serenidade de todos. que somos capazes se torna um grande desafio. Mas não vamos impedir que surjam questões profundas: qual é o sentido? Para onde isso nos leva? A que mudanças somos convidados? Como quero viver o essencial e o relativo, o importante e o urgente, o que me dá um senso de verdade ou apenas aparência: trabalho, dinheiro, família, amigos, poder, espiritualidade, consumo, transcendência, comunidade...

Nesta semana, experimentei algumas coisas que me ajudaram bastante neste momento de quarentena: encontro-me com os contatos da Família M. Cándida, em nossa província de Espanha-Itália, para retomar a jornada iniciada, para nos ver após um período de ausência. obrigada a se preparar para nossa festa em 31 de maio. Ver que o carisma de nosso Fundador se expande e cresce na igreja e no mundo é sempre reconfortante.

Também pude participar de uma reunião com colegas da Fe y Alegría de vários países, dedicados ao serviço de pastoral em nossos lugares para participar e trocar projetos e materiais, dependendo de nossas escolas, agora que enfrentamos tantas dificuldades ao longo do caminho, Mas a paixão que nos habita é muito forte e nos reforçamos em sonhos para continuar com a esperança que deixa de nos habitar.

E também sigo outros espaços como “Repensar a vida religiosa do futuro” oferecida pela União Internacional dos Superiores Gerais (UISG) de Roma, referindo-se aos EUA e ao Caribe e também à Europa. Há coincidências em que devemos nos unir mais do que nunca para enfrentar esta crise juntos, que as tecnologias nos ajudam e temos que nos preparar e aprender, porque vamos precisar mais deles todos os dias. E isso não podemos prescindir do mundo das redes sociais e da comunicação.

E já estamos comemorando a semana de Laudato Si 'e, nas palavras do Papa Francisco, é “uma campanha global por ocasião do 5º aniversário da encíclica. Porque o clamor da Terra e o clamor dos pobres não dão mais do que eles mesmos. Nesta pandemia, a Terra é afetada, mas, acima de tudo, os pobres, que têm menos recursos, sofrem com maior virulência das conseqüências desse vírus que se espalha sem parar.

Continuamos a confiar na dedicação desinteressada do mundo da saúde, de tantas pessoas que, em vários serviços, quase sempre em risco extremo de suas próprias vidas, não se procuram, mas para salvar a vida de outras pessoas. E continuamos sustentados em oração, pensativos e silenciosos, comprometidos e comprometidos de onde estamos e com a pergunta "o que você fez com seu irmão?" nós podemos ter uma resposta consistente. Sem olhar para o outro lado.

María Luisa Berzosa, FI
Entrevías-Madrid
0
0
0
s2sdefault