Depois de ouvir as intervenções dos diferentes participantes, diretores, pai e ex-aluno de uma de nossas escolas nas Filipinas, fiquei agradavelmente impressionado com a qualidade humana e acadêmica, a profundidade espiritual e a assimilação de nossos traços carismáticos de “Nossos forma adequada de educar ”. Agradeço o trabalho que Hijas de Jesús e os educadores leigos têm feito e continuam a fazer nas Filipinas. Percebe-se agora uma fruta madura.

Todos estamos vivenciando o impacto e os efeitos da pandemia Covid 19 e, neste contexto, eles fazem suas reflexões sobre o Pacto Educacional Global que o Papa Francisco deseja promover na Igreja junto aos Estados civis e órgãos governamentais.

- O professor Eleazar Solas nos convidou a “olhar a realidade nos olhos”: a dos nossos alunos, aqueles que temos na sala de aula todos os dias e com eles e deles, para garantir que a sua dignidade seja respeitada. A partir da valorização de cada um pelo que é e pode e oferecendo as ferramentas adequadas para o crescimento da sua autoestima. Desta forma, podemos treinar pessoas fisicamente, psicologicamente e espiritualmente saudáveis. Todos nós somos amados por Deus que é nosso pai. E essas pessoas com boa autoestima podem conseguir uma melhor inserção nas áreas da sociedade. Temos que trabalhar a dimensão social do ser humano desde cedo.

- Permitam-me destacar o trabalho do Dr. Lu, ex-aluno e pai do Davao College. Ele fez uma crítica positiva ao nosso sistema educacional atual, trazendo como exemplo o da Finlândia, encontrando os valores do evangelho e do NMPE. Fiquei impressionado com um aspecto que estou descobrindo como algo universal: por que os educadores deixam tantas tarefas para as crianças e adolescentes em casa? Isso acarreta uma difícil organização do tempo de lazer da família. Mas é um fenômeno que ouvi em todas as escolas de pelo menos cinco países da América Latina. Existem alguns problemas aos quais você deve prestar atenção. A criança não aprende mais porque tem mais tarefas a fazer em casa "para consertar o conteúdo". Você deixou outros elementos muito importantes que, por razões de tempo, não me detenho neles.

- A reflexão sobre as margens e a constatação dos 10 milhões de crianças obrigadas a abandonar a escola e dos 250 milhões de crianças em idade escolar excluídas de todas as atividades educativas em consequência da crise económica provocada pela a pandemia. Coloca-nos perante um desafio de abertura, aceitação e aceitação dos mais marginalizados e vulneráveis. Agradeço ao Professor Rodhora por esta sensibilidade à realidade da infância e da adolescência. Do carisma da nossa Fundadora, da educação da infância e da juventude, deixo-lhes a pergunta: Família Madre Cândida - Filhas de Jesus e leigos - como podemos responder a esta situação urgente? Onde e como o Senhor está nos chamando?

- A professora Edna Giner nos fala sobre a importância da família como primeira instituição de ensino. Temos uma grande responsabilidade como Escola da Madre Cândida em acompanhar e ajudar as famílias que vêm às nossas escolas e colaborar com elas na educação de seus filhos. Nunca esqueçamos que a instituição escolar vem para completar a educação que já começou em casa. Por isso é muito importante que a família e a escola dialoguem muito, cheguem a acordos comuns. Isso dará a nossos filhos confiança no crescimento, fará com que cresçam em uma autoestima saudável e os preparará para enfrentar um futuro desafiador.

- Agradeço a sensibilidade da nossa aluna Anezka com a filosofia. A Anezka nos apresenta o desafio da situação da mulher no mundo. E as estatísticas que ele posta me preocupam, me fazem pensar no que estamos fazendo e no que mais podemos fazer. A dignidade da pessoa humana significa que mulheres e homens têm as mesmas oportunidades e direitos, as mesmas obrigações e compromissos. "Se você puder evitar que uma criança menospreze a outra por causa do sexo, poderá mudar todo o mundo dela." Essa frase me pareceu muito forte. A Anezka nos convida a assumir um compromisso em favor das mulheres e isso afeta a educação que oferecemos aos nossos filhos. E isso pode começar agora. Obrigado, Anezka, pelo seu compromisso. Ajude-nos a viver dessa maneira.

Por fim, gostaria de destacar algumas abordagens ou aspectos da Aliança que adquirem uma ressonância especial neste 150º aniversário que nós, Filhas de Jesus, nos preparamos para celebrar.

Vivemos circunstâncias de imensa dor, de perda, para milhares de pessoas em todo o mundo. Para a grande maioria, a doença e a morte se somam a outras deficiências anteriores. Celebramos este acontecimento num contexto de “mudança de época”, como nos diz o Papa Francisco, educamos os cidadãos de uma nova era, somos chamados a construir com quem a viverá mais plenamente.

No final da Eucaristia do dia da Imaculada Conceição, início deste ano jubilar, ecoando as palavras da Madre, fiz alguns convites que, de certa forma, irei repetir, mas nesta perspectiva do Pacto Educativo global:

- Cuidando uns dos outros... Madre Cândida escreveu: “Estamos sob a providência divina, e Deus, como um bom Pai, cuida de nós”. Uma forma propícia para tornar vivo este carisma é cuidar de toda a criação, das pessoas e das relações entre si.

Se educarmos para a proteção do lar comum, estaremos manifestando algo do cuidado que Deus tem por todas as criaturas e especialmente por cada um de seus filhos e filhas. Vamos estudar e aprender a encontrar uma outra forma de crescimento e progresso que esteja a serviço do ser humano. E a pessoa, cada pessoa, com as suas aptidões, possibilidades, com a riqueza daquele “carácter” que M. Cándida quis que nós, educadores, conhecessemos bem, estará no centro, não estarão os padrões de aprendizagem ou a burocracia ou outros. elementos que podem nos cegar para o principal.

- Vivendo na esperança…, disse no último dia 8, “Nossa causa está nas mãos de Deus. Somos Filhas de Jesus. Ele vai nos defender de todo o mal. Esta é a nossa esperança e não ficaremos confusos. " Madre Cândida compartilha assim sua profunda experiência de esperança. Este dom de Deus o expressa com simplicidade, é sua maneira de viver o evangelho. Educar é um ato de esperança, diz o Papa Francisco. Cuidemos e sejamos coerentes com aquilo que nos serviu e que permanece, para além das muitas mudanças profundas e rápidas que estamos passando, para que também os protagonistas do futuro encontrem sentido, descubram o que realmente importa e os alegrem. Esperança que reconheça que este mundo tem muito bem, do qual fazemos parte, e que temos que trazer uns aos outros.

A partir daí tem todos os motivos para acolher a iniciativa das crianças e dos jovens, para que os ajudemos a descobrir a bondade que carregam dentro de si. Assim estaremos confiando e também, quase, educando a família, como primeira e indispensável educadora.

- Ter sempre um horizonte universal: Sabe, a frase da Madre Cândida “O mundo é pequeno para os meus desejos” me expressa. O mundo, a casa comum, a aldeia global. Amplie sempre o espaço da nossa loja, há espaço para todos. Todas elas também são meninas, sua plena participação nos processos sociais e de aprendizagem.

Todos são especialmente os mais vulneráveis, os menos favorecidos, os deixados para trás, "os descartados". Somos cada um, de perto e de longe, em um “pequeno” mundo quando se trata de levar as boas novas do Senhor Jesus.

Aproveito para estender aos nossos irmãos leigos do Índico-Pacífico o apelo que o Papa nos faz a “entrar nos campos que clamam a necessidade de um anúncio evangélico”, diz-nos: “não temais, desde que não vais sozinho, vá com o Senhor ”. Vamos juntos e com o Senhor!

Com profunda gratidão e esperança, em nosso esforço educacional, vamos adicionar um elo futuro a esta cadeia de história que começou há 149 anos.

0
0
0
s2sdefault
  • Cristocentrismo

  • Filiación

  • Universalismo

  • María

  • Camino

WHO WE ARE

We are a group of women consecrated to God who have come by different paths. We live in community and move through 19 countries, wherever the needs of persons are greater.

DAUGHTERS OF JESUS

We want to follow Jesus, responding thus to a call that changed our lives and that has been transforming our way of understanding all reality. Today, being “Daughters of Jesus” is to be with Him, to contemplate life with His gaze, to try to live as He lived, to treat people as He did, to listen, to forgive and to lift people as He did, to seek with passion, like Him, so that what God wants for this world, his dream for all humanity, may be fulfilled. Our religious family feels especially called to live in a filial attitude toward God as Father, characterized by trust, confidence in his unconditional love, and praise. That face of God that we contemplate invites us to fraternity with everyone, to gratuitousness, simplicity and joy.
Organization

SAINT CANDIDA MARIA DE JESUS

She is our Foundress, a woman who relied totally on God from her sensitivity to the most needy. It was in Salamanca, on December 8, 1871, when, with five other women, her adventure began with nothing more than the trust born of the knowledge that what one undertakes is “what God wants”. In this manner and with the name of Candida Maria de Jesus, this woman of scant education and scarce material means founded the Congregation of the Daughters of Jesus in one of the most important university cities of the 19th century, in Salamanca. The exclusion of women and the economically weaker classes from the fields of education moved Mother Candida to begin this path.

WOULD YOU LIKE TO BE AN HIJA DE JESÚS?

Young... adult... Are you looking for a meaning life? We have found it in a free and generous commitment to the Lord. If you want to know more about us, we can walk together and enrich ourselves. We are here to welcome you: web@hijasdejesus.org