O Papa Francisco declarou 2021 o Ano de São José. No dia 8 de dezembro, coincidindo com o 150º aniversário da declaração de São José padroeiro da Igreja universal por Pio IX, ele publicou a carta apostólica Patris Corde, "Com coração de pai", para "partilhar connosco algumas reflexões pessoais sobre esta figura extraordinária, tão próxima da nossa condição humana". Como sempre, Francisco toca o solo com as suas palavras, palavras que remetem a uma realidade concreta, intimamente relacionada com o momento histórico em que vivemos, desta forma simples:

Tal desejo foi crescendo ao longo destes meses de pandemia em que pudemos experimentar, no meio da crise que nos afeta, que «as nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas comuns (habitualmente esquecidas), que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nas grandes passarelas (...) que hoje estão, sem dúvida, a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história (...) Quantas pessoas dia a dia exercitam a paciência e infundem esperança, tendo a peito não semear pânico, mas corresponsabilidade! (...) Todos podem encontrar em São José – o homem que passa despercebido, o homem da presença quotidiana discreta e escondida – um intercessor, um amparo e uma guia nos momentos de dificuldade. São José lembra-nos que todos aqueles que estão, aparentemente, escondidos ou em segundo plano, têm um protagonismo sem paralelo na história da salvação.

Hoje, festa de São José, convidamos você a ler este  carta do Papa onde ele desvenda a vida e grandeza de José como um pai amado, um pai na ternura, um pai na obediência, um pai na acolhida, um pai na coragem criativa, um pai trabalhador e um pai nas sombras.

Como tudo isso ressoa com o que Madre Cándida disse à Irmã Josefa González em uma carta escrita em 29 de março de 1895!

“Suponho que a festa ou função do patriarca e do beato São José seria muito boa. Este santo muito, muito pode com Deus. Oh! Quem poderia imitar suas virtudes! Que silêncio! Que modéstia! Quanta paciência! Que presença de Deus! Quanta humildade! Quanta pobreza! Que castidade! Que obediência! Que oração! Que amor a Jesus e Maria! Que se santificar no trabalho e em todos os momentos de sua bela vida! Quão sagrada é sua morte preciosa! Felizes se realmente o amamos. Ele cuidará de nosso corpo e de nossa alma para que possamos servir a Deus nesta vida, e então cantaremos seus louvores no céu com Jesus, Maria e José. Amém" (CMF 63)

0
0
0
s2sdefault