NA CRISE DA HISTÓRIA ACONTECEM ENCONTROS FORTUITOS

Feliz aniversário ao nosso querido Padre Herranz!

Hoje, 5 de julho, é um dia muito especial para a Família Madre Cândida. Celebramos o nascimento do P. Herranz e agradecemos o presente que sua vida foi para os primórdios da Congregação.

Quem foi o P. Herranz?

"Castelhano forte e afável ao mesmo tempo, tão eficaz como silencioso, tão parcimonioso ou discreto que, tendo sido um homem muito activo, quase não deixou vestígios na documentação jesuíta..." [1]

No dia 5 de julho de 1819, nasceu na Espanha Miguel de los Santos San José Herranz. Como era de costume, foi batizado com o santo do dia, San Miguel de los Santos. Em 1857, aos 36 anos, ingressou na Companhia de Jesus e fez seu treinamento na França. Em 1861 ele voltou para a Espanha, ocupando diferentes cargos na Companhia de Jesús.

“... um homem de poucas palavras, de juízo reto e são, muito seguro no conselho, muito prudente em suas resoluções, e muito firme e constante no que uma vez determinou, extremamente humilde e obediente, mortificado no mais alto grau, de uma confiança ilimitada em Deus...[2]

"...nada lisonjeiro ou temeroso do respeito humano, com um caráter e temperamento vivos, mas muito atencioso, com muito controle sobre si mesmo...gentil com todos, franco e jovial na conversa ... um homem, bem, verdadeiramente de Deus, e que tudo esperava Dele". [3]

Padre Herranz foi um colaborador próximo no nascimento e desenvolvimento de uma nova congregação na Espanha e para a Igreja Universal: a Congregação das Filhas de Jesus.

Quando Juana Josefa, aos 26 anos, se perguntou como responder à sua vocação, encontrou no Padre Herranz o acompanhamento e a ajuda adequados para a sua vida.

“Atenta aos convites do Espírito, busca maior fidelidade. A graça é comunicada a ela em seu contato habitual com Deus. Lá estará o segredo de sua doação inteira e constante (...) Para benefício de quem? Dos seus amigos, dos pobres e dos mais necessitados ”deseja encontrar alguém com quem“ contrastar as graças que recebe (…). E, por sua vez, o Padre Herranz começou a "...ruminar em sua mente o quanto a Espanha precisa de uma regeneração".[4]

A instabilidade política do país naqueles anos foi marcada por muitas rivalidades e pelo desejo de apagar o catolicismo. Por isso, em 1868 ocorreram as expulsões das comunidades religiosas e a Companhia de Jesus não ficou imune a isso. Assim, em meio a uma crise social, acontecerá circunstâncias fortuitas para o encontro do P. Herranz com o jovem Juan Josefa.

Naquela época, setembro de 1868, consta que Juana Josefa “... implorou insistentemente ao Senhor por um Diretor que fosse do seu agrado” e, no meio deste pedido, aparece o P. Herranz: “instrumento que Deus ela estava em guarde a nossa Juana Josefa para que, com os seus sábios conselhos e corretas orientações, a conduza pelo caminho indicado pela divina Providência...” [5]

No meio da situação de exclaustração da vida religiosa, o Padre Herranz mudou-se para Valladolid, para a casa de seu irmão. Nesta época, Juana Josefa trabalhava com a família Sabater Becerra que, por motivos de trabalho, mudou-se de Burgos para Valladolid. Ambos chegam simultaneamente.

“... sob os passos determinados de Juana Josefa, a pegada de Deus que está marcando aquele caminho à frente” [6]

E agora, no meio de COVID-19, que encontros fortuitos o Senhor nos deu? 

[1] De Frías Tomero, María del Carmen, FI. Biografia da Serva de Deus, Madre Cándida María de Jesús (Juana Josefa Cipitria y Barriola) Fundadora da Congregação das Filhas de Jesus (31 de maio 1845 - 9 de agosto 1912) Filhas de Jesus, Postulação das causas da canonização, Roma, 1988, p. 74.

[2] Ibíd : P. García Alcalde o primeiro biógrafo da M. Cándida. 

[3] Ibíd.

[4] Macarro C. B. FI, História da Congregação das Filhas de Jesus, Tomo I , p.29-30.

[5] Ibíd. [1] p. 73. Citando: Conjunto de cadernos do Madre Fundadora.

[6] Ibíd. [1] p. 72.

0
0
0
s2sdefault