Kenia e Jomaris são as primeiras Filhas de Jesus na Amazônia. Talvez seu destino tenha começado a ser sonhado com Laudato Si e começado a se tornar realidade depois do Sínodo da Amazônia. A Congregação quis colaborar em um projeto para proteger nossa casa comum, "viver uma ecologia integral em comunhão com toda a criação, para combater a pobreza e restaurar a dignidade dos excluídos". Ela procurou de diferentes maneiras e se deparou com a REIBA (Red de educación Inercultural Bilingüe Amazónica). Kenia também começou a pesquisar na internet e encontrou a REIBA. Naquela época, o destino de Yomaris era a Venezuela, mas Deus tinha outro caminho para ela: a Amazônia peruana.

A aventura começou em 28 de janeiro, naquele dia em que deixaram Elías Piña, na República Dominicana, seu país natal, para se dirigirem para a Amazônia. Após um mês em Lima, completando a documentação, chegaram em Tarapoto, o primeiro contato com a Amazônia. Por terra, mar e ar continuaram sua viagem para San Lorenzo, onde passaram mais 15 dias preparando a documentação para a escola. Lá eles pegaram um chalupa (um pequeno barco caseiro com motor) e durante três dias viajaram por um dos rios da Amazônia para chegar à comunidade das Missionárias de Madre Laura no dia 19 de março, a festa de São José, onde passarão pelo menos dois anos trabalhando na escola.

Graças à tecnologia, encurtamos as distâncias para ter uma conversa com eles. Compartilhamos a primeira parte:

Como está indo a adaptação?

Tudo é muito diferente. Neste momento é inverno, mas está tão quente que não dá para suportar. O pior é a picada de mosquito, é o que estamos achando mais difícil. Você se adapta à comida, são muitos carboidratos, poucas vitaminas, há pouca fruta, às vezes um coco e um pouco de papaia, alguns limões também. Os costumes são muito diferentes, algumas coisas são difíceis para nós. As pessoas são tímidas, não dizem muito olá e, em nosso país, são muito saudosas. Nós os cumprimentamos em sua língua "tasha" e ninguém nos cumprimenta de volta e isso é difícil para nós. Mas estamos nos acostumando a isso. Algumas crianças têm medo de nós, eu não sei se é por causa de nossa cor, porque somos diferentes.... Aqueles que nos conhecem se aproximam de nós, especialmente na escola.

Como é a vida cotidiana lá?

Kenia: Eu ensino inglês para os alunos. Levantamo-nos às 5 da manhã para a oração pessoal, às 6h30 é o café da manhã comunitário e às 7 horas da manhã começam as aulas. Acompanho inglês e em EFA (Educação para o Trabalho) em um berçário, animando ao nível da ecologia. Cada semente que encontramos enterramos, usamos todo o lixo, tudo ecologicamente. Também acompanhamos os professores no que eles precisam, por escrito, porque os professores e o pessoal têm dificuldade com o espanhol. Portanto, é de manhã e à tarde. Também promovemos a educação intercultural, porque na REIBA apoiamos a educação bilíngüe intercultural e todas as sextas-feiras nos reunimos para compartilhar experiências.

Jomaris: Eu também os ajudo à noite, acompanhando suas dinâmicas antes de dormir e a leitura, escrita e revisão de conteúdo. Também ajudamos com a logística, porque aqui só há duas irmãs Laurita.

Como as famílias estão organizadas?

As casas são muito grandes, com pisos de terra. Normalmente, quando a filha da família se casa, seu marido vai para a casa, portanto, há várias famílias no mesmo lugar, mas elas têm cozinhas diferentes. Existe a poligamia, o homem pode ter várias esposas, assim cada uma cozinha em um canto, cada uma com seus filhos, mesmo espaço, mas comida diferente. A mulher cuida da terra, a chacra (horta) e o marido caça, procura a comida longe e a recolhe. Eles praticam muito esporte, têm quadras em cada esquina. A mulher prepara um alimento feito de yucca fermentada chamado masato, eles sempre carregam um balde cheio de masato para dar a seus maridos e visitantes.

Todos os dias eles se levantam às 3 horas da manhã para beber o wayus, que é uma infusão, como uma pequena folha. Em torno deste fogo eles fazem correções, contam a verdade um ao outro, é um momento de aconselhamento familiar. É o espaço mais sagrado deles, o que mais respeitam e o que os mantém unidos como uma família. As celebrações religiosas também são realizadas às 5 da manhã.

De que eles vivem?

Cada família tem um chacra. Há também pessoas que vendem sangre de grado, uma resina de árvore que é medicinal. Quando as pessoas precisam comprar, vão a San Lorenzo, a cidade mais próxima, e a vendem. Infelizmente agora as empresas petrolíferas entraram e há muitas pessoas da região que estão trabalhando para essas empresas, que, por sinal, estão destruindo o rio. Eles também criam patos e galinhas.

 

É possível que eles abandonem a comunidade?

Muito poucos saem. Alguns vão a Lima para estudar por seis anos, outros vão a San Lorenzo para estudar e outros estudam para os militares. Graças a Deus, alguns voltam, como aqui o técnico de enfermagem. Na escola eles tentam não perder quem são, tantos dos que agora são professores foram alunos, foram estudar em Lima e agora voltaram. É muito melhor porque eles entendem sua língua, Achuar.

0
0
0
s2sdefault