Faz um ano foi publicada a “Laudato Si”, mas o texto completo ainda nãofoi publicado no Japão devido à dificuldade da tradução, que se pode supor. Contudo, isto não impediu a Associação de Superioras maiores do Japão de escolhê-lo como o tema principal de sua Assembleia Geral deste ano, que aconteceu na Paróquia da Sagrada Família em Osaka de 1 a 4 de junho. Participaram 65 Congregações, com a presença do Núncio Apostólico do Japão, Mons. Joseph Chennoth e o bispo de Osaka, Mons. Manyu Maeda.
No primeiro dia, um sacerdote diocesano de Nagaski, P. Hiro Kamatsu, falou sobre “Conteúdo geral da “Laudato Si!”; no segundo dia, um professor da Universidade de Sofia, o Sr. Fumihiko Kubo sobre “A fé cristã e a radiação nuclear” (um dos problemas muito controvertidos no país); no terceiro dia, o bispo Isao Kikuchi, sobre “Repensar a evangelização”. Estas três conferências foram a base para o estudo e do qual surgiram várias sugestões.
As participantes se sentiram especialmente motivadas pelos seguintes pontos:
- Tudo o que Deus criou está interconectado (Ecologia integral)
- Nosso planeta está ferido pela cultura do descarte e pela globalização da indiferença.
- O uso da energia nuclear “não é compatível com o respeito pela vida e pelo meio ambiente”.

Por isso, o Papa Francisco faz uma chamada para que cada Congregação religiosa se comprometa de modo concreto a:
-Sair das próprias seguranças.
- Abrir o coração e sair ao encontro dos que nos rodeiam.
- Perguntar-se constantemente o que queremos deixar para as futuras gerações, e optar por um novo estilo de vida.
Como tarefa para este ano, a Associação de Superioras Maiores do Japão se compromete com os dois temas seguintes:
1.Apoio às vítimas do terremoto de Kumamoto, cidade no sudoeste do Japão, que foi afetada recentemente por uma série de terremotos, o mais forte de 7.3 de magnitude, causando danos em casas, edifícios, estradas e em zonas montanhosas, deixando muitos mortos e feridos, e pessoas sem casa permanente até agora.
2.Colaboração com o Projeto “Talita Kum Japan” (Projeto em equipe para abordar o problema do tráfico de pessoas como mulheres, migrantes, crianças mestiças, etc.).
As Filhas de Jesus somos uma Congregação muito pequena no Japão, porém continuamos  presente nestas reuniões, apesar de nossas limitações de idioma, estando unidas à Igreja do Japão em suas muitas preocupações ao se enfrentar com os desafios da nova evangelização. Fazemos o que podemos para colaborar com gestos simples, crendo firmemente que “é necessário apenas um pouco de fermento para fermentar toda a massa” (Gal. 5, 9).





0
0
0
s2sdefault