loader image

As Filhas de Jesus na África – Moçambique

maio 25, 2024

O desejo da Congregação de estar presente na África remonta, se não me falha a memória, à época da Madre Cândida. Mas isso só se tornou realidade em 2000, com uma presença intercongregacional de dois anos em Moçambique. Estamos em Moçambique em uma base estável desde 18 de janeiro de 2004.


Desde a época colonial, a África tem sido a despensa da Europa. Sem querer ferir sensibilidades, lembremos que em 1885 foi realizada a chamada Conferência de Berlim , na qual os países europeus distribuíram as terras da África para exploração sem levar em conta os africanosHoje, a mesma “pilhagem” das riquezas da África continua, com mais e mais países distribuindo-as entre si. O coltan e o lítio necessários para as baterias de carros elétricos e smartphones vêm da África; o grafite nos computadores é africano… A África pode não conhecer a IA, mas não haveria robôs servindo em restaurantes ocidentais sem a África.


A África é rica: rica em agricultura e pecuária, rica em terras e madeira, rica em água, rica em minerais e pedras preciosas, rica em fauna e flora… Mas sua maior riqueza se encontra na terra: são as pessoas , especialmente os jovens, sua cultura e seus valores. Como disse o Papa Bento XVI:

“A África tem grandes problemas e dificuldades, como o resto do mundo. Entretanto, na África há um novo humanismo e o continente mostra uma reserva de vida e vitalidade para o futuro com a qual podemos contar. A África é o pulmão espiritual do mundo.


Embora a mídia possa apresentar uma imagem unilateral, pobre e violenta da África, a verdade é que a África deu à humanidade homens como Julius NyerereO primeiro presidente da Tanzânia e agora em processo de beatificação; Nelson MandelaO primeiro presidente negro da África do Sul que, ao perdoar aqueles que o mantiveram preso por 20 anos, queria reconstruir seu país com base na reconciliação e na inclusão de todos; Wangari Muta Maathai A primeira mulher africana a receber o Prêmio Nobel da Paz em 2004 por sua contribuição ao desenvolvimento sustentável, à democracia e à paz… E tantos outros que não são conhecidos, mas que fazem a humanidade a partir dos valores do acolhimento e da fraternidade.

É em meio a essa riqueza natural, humana e espiritual que Moçambique se encontra, onde as Filhas de Jesus estão há 20 anos. As Filhas de Jesus em Moçambique não têm suas próprias obras; nós trabalhamos com outros e “para outros” ou, melhor dizendo, para o Reino de Deus e a Igreja: “estamos em movimento”.

No momento, temos uma comunidade com três presenças: Metoro e Pemba na província de Cabo Delgado, no norte do país (fronteira com a Tanzânia) e Maputo, a capital do país, no sul (fronteira com a África do Sul).

Desde o início, as Filhas de Jesus têm se destacado por sua sólida formação humana e espiritual, responsabilidade e seriedade no trabalhoPediram-nos que trabalhássemos em formação e colaboração na consolidação da Igreja local, seja em nível paroquial, diocesano, da Conferência Episcopal ou da Vida Religiosa.

Em Metoro , assumimos uma escola, um centro infantil e um centro de medicina natural da paróquia e colaboramos com o cuidado pastoral da paróquia, com o treinamento de mulheres e com os líderes das mais de 50 comunidades cristãs.

A presença de Pemba foi, desde o início, orientada para apoiar o Secretariado Diocesano de Pastoral, organizando o treinamento de agentes pastorais, o trabalho na Universidade Católica e a organização de uma Escola Superior de Estudos Éticos, bem como um Observatório Social da Província de Cabo Delgado.

De modo particular, tanto em Metoro como em Pemba, nos últimos anos as Filhas de Jesus puderam exercer o ministério da consolação e ser um bálsamo, acompanhando e buscando meios de subsistência para as vítimas do conflito armado que vem ocorrendo na província há alguns anos.

Em Maputo, colaboramos com a Comissão Episcopal de Educação Católica e aComissão Episcopal de Justiça e Paz. Pudemos estar presentes no Seminário de Teologia dando aulas e foi importante trabalhar com a Vida Religiosa, especialmente com noviços e juniores.

No momento, a Congregação está nos pedindo para pensar em algo novo que possa consolidar a presença congregacional na África e esperamos poder colaborar com isso também. Colocamos nas mãos do Senhor o futuro de nosso carisma neste continente. Que Ele, se for Sua vontade, nos abençoe com vocações nativas que nos ajudarão a “criar raízes” e que o carisma se espalhe por todo o continente.

África, Moçambique, parabéns! Muito obrigado pelo que vocês nos deram e pela forma como estão nos moldando.


Filhas de Jesus em Moçambique

Relacionados